domingo, 26 de maio de 2013

rui nunes

F. - sonho os pormenores do corpo de Manuel: a pele suja, os dentes cariados, as mãos oleosas, os dedos picados dos anzóis, cheios de calos, de por eles passar o estralho, os movimentos de Manuel a consertar as redes, a iscar o aparelho, Manuel calado, no silêncio como em uma casa.

M. - Olho-te da minha fome, sítio só meu e que me perturba, devorador de ti. Tudo o que falas é comido pela fome que eu tenho. Só te vejo nela, como a tua atmosfera. O ar que respiras está cheio de veneno, respiras um ar que te assassina.

F. - amo-te o silencioso dessa fome. O seu lado de contínua devoração.

M. - amas o quê, Francelina? amas isto, olha, os meus braços, pernas, o caralho, é o que tu amas.

não desviou a mão do peito que a mão tocava. Abandonou-a. E no mesmo lugar a mão lhe ficou exterior.

F. - Todos os dias uma nova morte. Um fim que se repete.

Francelina lambe o corpo de Manuel, nu, na enxerga.

F. - o teu corpo sabe a sal.

Grito
Rui Nunes  

há dois tipos de escritores. os que são como o rui nunes e os outros, todos. 

sexta-feira, 24 de maio de 2013

man booker prize 2013



a fantástica Lydia Davis recebeu o Man Booker Prize 2013, um prémio que distingue escritores de todo o mundo, que estejam vivos e com obra em inglês, traduzida ou original.
eu tenho um fraquinho por escritores que conseguem em poucas palavras dizer livros inteiros. e isto é a Lydia Davis e as suas micronarrativas. há tradução portuguesa, na Relógio d'Água mas já é muito fácil encontrar o original. foi a primeira autora que li na primeira vez que trabalhei em edição.
gosto de ver prémios bem entregues.

aqui a notícia do Público.


quarta-feira, 22 de maio de 2013

surrealisticar

andei desfocada mas agora é mesmo a sério, já chega de andar aí aos trambolhões.
vou dedicar-me ao surrealismo. tenho de desenhar o curso e não tenho muuuuuito tempo entre estrutura e leituras. por isso aceitam-se sugestões e ajudas, sobretudo para leituras (que na estrutura não sou muito democrática, só qb. já ler, leio tudo). o curso é de surrealismo português mas terá uma primeira parte sobre influências e origem. surrealistiquemos em conjunto, mandem-me os vossos autores e livros. e preparem-se que já conheço este funcionamento pré-curso - tudo vai ser surrealista nestes meus dias.









quarta-feira, 15 de maio de 2013

recebi hoje um e-mail

do Creative Events. e começava assim:

"Tomo a liberdade de informar um serviço inovador que a Creative Evevents lança em Portugal, para ajudar a não sabermos noticias que uma idosa foi encontrado morta em sua casa passado 6 meses."

primeiro informa o serviço, não vá o serviço não estar informado. depois caramba! ajudem-me lá a não "saber" notícias destas! longe de mim.
podiam pelo menos, no mínimo, quanto mais não fosse, acertar no nome da própria empresa. pérolas. pérolas logo de manhã. 


sábado, 4 de maio de 2013

surrealistiquemos

o meu curso de literatura portuguesa contemporânea não deve abrir. sempre me foi angustiante depender de pessoas para levar os meus projectos avante, sejam colegas de trabalho ou público ou inscrições, neste caso. tenho dificuldade em separar o que será a falta de interesse de fora de alguma falha minha. para além disso o meu compromisso emocional com esta literatura tem sofridos golpes duros o que me fez então pensar que se calhar estava só no caminho errado, o que quer que isso queira dizer. como todo o trabalho que faço depende em absoluto da minha vontade deixei-me a pensar umas semanas sobre este novo caminho. e tudo fez muito sentido. o surrealismo sempre foi a aula mais divertida e dinâmica e curiosa do meu anterior curso. o dia surrealista feito há dois anos na RDA encheu-nos a todos as medidas. e nos autores surrealistas temos os mais bonitos, fortes, pulsantes e significantes textos do século que passou. são textos com unhas afiadas e sangue.
por isso hoje sentei-me aqui e recolhi todas as entrevistas, textos, livros e notas que tinha sobre o surrealismo e são centenas de páginas. e pensei: está feito. e sei que sobre este "está feito" terão de passar tardes e tardes de leituras e trabalho. e passarão. mas o novo curso está já todo desenhado em frente dos meus olhos. e num caderno aqui à minha frente.
(!!!) agora é só desenhar um prazo (!!!)





A minha canção podia arder-me

17 de Novembro 21h30 Cossoul Av. D. Carlos I 61 Lisboa  Há vários conceitos de escrita, o difícil é reconhecê-los sem cair em f...