quarta-feira, 28 de setembro de 2011

o valter / Valter hugo mãe / Hugo Mãe

O último JL traz um magnífico texto de valter hugo mãe, que o coloca numa melancolia e pessoalidade íntima que não tenho visto há uns tempos.
Tenho pensado nele como tenho pensado em "todos" eles. Tenho pensado qual será o sítio dele enquanto escritor. A editora dele e ele próprio trabalharam uma imagem que despoletou no FLIP com uma plateia de 2000 pessoas emocionadas. E com outros tantos mil emocionados por todos o mundo. E essa imagem tem-se tornado maior do que o escritor. A imagem do escritor que comove, que tem 40 anos e quer ter um filho. Não é uma imagem necessariamente negativa, é ternurenta e real. Mas não é mais do que uma imagem. E falar dele não deveria ser falar da sua capacidade de comover o público ou a sua vontade de ter um filho. É a velha discussão do que é mais importante: a vida ou o escritor. E eu nem acredito em importâncias desmesuradas. Nem me incomoda que alguns escritores sejam mediáticos. Talvez isto seja quase uma saudade dos tempos em que era eu e o meu valter. Naquele segredo dos livros dele, na intensidade, nas personagens que nos entram em casa e jantam connosco. Na carne viva. Se calhar é só uma questão de maiúsculas. Se calhar isto são só saudades, deve ser isso. Eu que esmiúço este meio até não poder mais reparo que o valter começa a ser daqueles escritores que alguns não querem ler porque estão cansados da "imagem". Como aconteceu com o Peixoto, como estranhamente (ou não) nunca aconteceu com o Gonçalo M. Tavares.
Vingo-me no Filho de Mil Homens, tão diferente dos outros, e no texto do JL onde ele diz como é que ele é enquanto escritor, sozinho, longe da ribalta, dos lançamentos sem cheiro nem gosto. É um piscar de olho aos leitores.
Em breve falarei do livro mas digo-vos desde já que está a ser em grande. Em bom. Em valter. Ou em Valter.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Nunca antes um sábado tinha tido um post só para ele... mas ele há dias assim!

É no próximo dia 24 de Setembro. Começa pelas 11h da manhã com a Grande Oferta de Livros do Bilbiotecário de Babel, no Monte Agudo. José Mário Silva faz circular livros que tem a mais nas suas estantes, para que outros levem ou troquem.
Às 18h30 o meu querido amigo João Silveira lança um livro, Dever / Haver, na Sociedade Guilherme Cossoul. Tudo em bom, a editora, o espetáculo mas sobretudo o Poeta. Daqueles que têm as letras todas maiúsculas.




Às 21h30 é a vez do valter, na Lx Factory, lançar o seu Filho de Mil Homens. Este dispensa apresentações.




O que eu não dispenso é companhia para este programa. Por isso aguardo inscrições para programa parcial ou total ou truncado. Como quiserem. Fico ansiosamente à espera.

foi assim mais um Para Acabar de Vez com a Leitura

O Cânone ou a vã glória de ler e escrever

Mais um Chapitô, mais uma quarta-feira, cheio de gente boa e conversa que sem microfone se estenderia pela noite toda. Conversas cruzadas, palavras sussurradas pelas mesas. Cada um com o seu cânone. No jantar houve quem dissesse que este tema não era polémico. Que era aceite por todos quem são os grandes autores canónicos. A questão que logo depois começou a surgir e que nos levou a uma agradável conversa dentro do tanque foi que definição é essa de cânone. Houve quem definisse o cânone com o anti-cânone. Porque a tese tem sempre a sua antítese e falar por contraposição pode tornar o tema muito mais divertido.
Tínhamos nomes de grande gabarito, que se portaram à altura. Estava tudo em harmonia, os intervenientes, o público, o tanque, o Chapitô.
Miguel Real iniciou a conversa fazendo uma viagem pelo cânone português pós 25 de Abril. A partir de 1974 o cânone sofreu uma alteração brusca sendo afastados alguns nomes das leituras obrigatórias nas escolas. Pela primeira vez escrevem-se manuais escolares, com indicações de leitura, trazendo à tona autores proibidos e maltratados até essa data pelo regime anterior. Neste caso assistimos ao Estado a interferir directamente na definição de cânone. Nomes como Sousa Costa, Queirós Ribeiro, D.João da Câmara ou Augusto Gil são afastados do cânone e entram nomes como Ferreira de Castro (um escritor muito lido e respeitado já durante o Salazarismo), Cesariny, O'Neill, Herberto Helder, Fernando Pessoa (até aí só se lia a Mensagem), e neo-realistas como Alves Redol, Manuel da Fonseca, Gomes Ferreira. Muitos destes autores estão vivos em 1974, sendo que até aí se convencionava, salvo algumas excepções, que os autores entravam no cânone depois da sua morte, com a sua obra consolidada. Alguns autores desconhecidos até essa data começam agora a ser lidos como Gabriela Llansol, Ruben A., Nuno Bragança ou Yvette K. Centeno.
No pós 25 de Abril o cânone assentava em duas premissas: reflexão e militância. Interessava menos a história que era contada do que um testemunho e reflexão do que acontecia no país, as transformações necessárias e as consequências da ditadura. Queria-se combater o ruralismo do Estado Novo banindo os livros que reflectiam o homem salazarista. Combatia-se o nacionalismo com o cosmopolitismo, o mundo alarga os horizontes e as realidades culturais de outros países entram na nossa literatura. A partir da década de 80 os romances deixam de reflectir Portugal, podendo ou não reflectir outras realidades se bem que uma grande parte deles reflicta somente realidades alegóricas e abstractas. É também nesta década que o cânone "range". Começam a levantar-se vozes contra o cânone do pós 25 de Abril. Luísa Costa Gomes escreve um livro onde afirma que não vai falar do Império, nem do 25 de Abril, nem da Guerra Colonial. Rui Zink edita o Hotel Lusitano onde ataca autores com Barthes ou Deleuze, inquestionáveis até então. Os escritores desintelectualizam a literatura dando-lhe um tom mais ligeiro, jornalístico. Francisco José Viegas escreve sobre futebol e Dinis Machado policiais.
No séc XXI é a escrita que prevalece a cima da história que é contada. João Tordo, David Machado, Gonçalo M. Tavares, Patrícia Portela ou Afonso Cruz lançam-se numa escrita tabalhada, única e original. Brincam com imagens e realidades. São realistas sem serem fiéis à realidade. É sobre a linguagem que assenta a originalidade. Há menos unidade, mais pluralidade.
Maria do Rosário Pedreira intervém discordando de alguns pontos focados por Miguel Real afirmando que o cânone não tem a ver com o presente mas sim com o passado. Os textos da Bíblia foram os primeiros a ser canonizados, por uma autoridade que lhes estava automaticamente atribuída pelo seu carácter sagrado. Depois disso pluralizam-se mas são sempre canonizados por uma autoridade. Existiam três tipos de autoridade: a crítica, a academia e os professores. Para que uma obra seja canónica esta obra tem de ter qualidade não no momento em que é escrita mas numa fase tardia em que é possível observar que essa qualidade se mantém. Uma obra canónica tem de oferecer uma voz diferente e original que muitas vezes traz influências de outras obras, ainda que o possa fazer de forma inconsciente. A qualidade não é no entanto uma característica que garanta a presença de um livro num cânone futuro. É importante que essa obra seja divulgada e lida, pelo que a não edição de um livro ou a edição de poucos exemplares por uma editora pequena pode impedir a canonização. Para Maria do Rosário Pedreira o cânone é volátil, cresce e diminui, muitas vezes orientado por razões extra literárias. Para se ser um verdadeiro escritor este não deve procurar o cânone, deve sim escrever porque lhe é essencial. E ser realmente um escritor, uma vez que assinar um livro não é ser escritor.
Juva Batella inicia a sua intervenção com uma fábula: o professor grilo dá uma aula e o director grilo passa pela sala e ouve. O professor grilo diz que o canto dos grilos é o mais harmonioso de todos, mais do que os cantos dos pássaros que usam a garganta para cantar, o que não faz sentido. O director grilo fica muito feliz ao perceber que nada mudou. Harold Bloom (a partir de agora conhecido como Sr. Haroldo) é como o director grilo no seu livro O Cânone Ocidental. O Sr. Haroldo acredita que o que interessa é a estética numa lista de autores que lutaram contra o esquecimento, normalmente autores mortos, brancos, europeus, homens. Para o Sr. Haroldo o cânone centra-se em Shakespeare (a partir de agora conhecido como Sr. Guilherme), pois o que ele escreve é real e reconhecível durante os séculos seguintes. O cânone é a origem do que hoje está dito e escrito. Juva Batella cita Paul Valery para ilustar esta afirmação: o leão é feito de carneiro assimilado. Na verdade muitos quiseram lutar contra o cânone acabando também por isso por entrar nele, como é o caso de Borges.
Luís Ricardo Duarte fala do cânone referindo a sua viagem do Verão à Islândia. Antes da viagem procurou alguns livros que deveria ler para conhecer o país e pensou nos livros que daria a um estrangeiro numa visita a Portugal. O cânone dele seriam esses livros, um cânone mais volátil. Uma obra canónica cria o seu espaço, surpreende sempre, permite releituras. Deve ser original e único. Os jornalistas culturais fazem o filtro, são importantes para nos orientar e apresentar leituras ou não leituras. Falar de cânone para Luís Ricardo Duarte é falar dos livros que levaríamos para uma ilha deserta, é portanto um cânone mais pessoal.
Nuno Seabra Lopes, no público, coloca uma questão depois de ouvir todas estas intervenções que colocam o cânone em posições tão díspares. Hoje é difícil estabelecer quem é a autoridade. Existe um cânone? Vários? Quem é a autoridade? Eurídice Gomes, moderadora responde que hoje em dia, com o mercado que existe, é difícil estabelecer um cânone e que o melhor talvez seja pensarmos no cânone temporalmente, à distância, e não nos dias de hoje. Juva Batella defende que não existe uma única autoridade, que o cânone é definido por todos os que hoje em dia falam dele, inclusive nós no tanque do Chapitô. Acrescenta ainda que para entrar no cânone temos de lutar com ele de igual para igual, como Borges fez. Luís Ricardo Duarte defende que deveria ser a Universidade, como foi em tempos, a definir o cânone. No entanto admite que hoje essa canonização está mais díspar. Aníbal Fernandes, tradutor, cria um cânone próprio na selecção de obras a traduzir e estabelece o cânone para aqueles que o admiram e respeitam as suas escolhas. No entanto defende ainda que os livros fazem um caminho que nem sempre depende totalmente da sua autonomia e qualidade. A literatura islandesa não está mais divulgada pela dificuldade da língua.
A sessão terminou com chave de ouro quando Andreia Moreira pede aos cinco do tanque que lhe sugiram um livro do seu cânone. Luís Ricardo Duarte sugeriu a Odisseia ou a Ilíada e O Deserto dos Tártaros de Dino Buzzatti. Maria do Rosário Pedreira sugere as Obras Completas de Yeats. Eurídice Gomes sugere Aventuras de João Sem Medo de José Gomes Ferreira. Miguel Real a Viagem à Índia de Gonçalo M. Tavares. Juva Batella diz que até podia sugerir livros do Sr. Guilherme mas que não o vai fazer e fala do Sargento Getúlio do escritor brasileiro João Ubaldo Ribeiro e a Ovelha Negra e Outras Fábulas de Augusto Monterroso.
Foi uma noite boa. Descobrimos que a questão é mesmo a referida no início: o que é para cada um o cânone. Quando é que podemos falar de cânone. O cânone é nosso? É instituído por quem?
Como em qualquer boa sessão, não chegámos a nenhuma conclusão, ficámos só a saber mais.
Um bem haja ao Chapitô, mais um. Um bem haja ao  público presente. E um maior bem haja aos nossos queridos convidados que tanto nos fizeram discordar e pensar. É esse o caminho do Para Acabar de Vez com a Leitura.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

A Ilha de Sukkwan, David Vann


David Vann tinha 13 anos quando o pai lhe pediu que passasse um ano com ele no Alasca. Profundamente deprimido, talvez tenha visto neste convívio com o filho alguma espécie de redenção e salvação. David recusou, era muito novo e teria de deixar a mãe, a irmã e os amigos para ir viver num ambiente do qual imaginou que não sairia ileso. Duas semanas depois o pai suicidou-se e David durante muitos anos levou consigo a ideia de que teria sido o culpado da morte do pai. Anos mais tarde resolve escrever A Ilha de Sukkwan, onde imagina o que teria sido se tivesse ido esse ano para o Alasca. A uma primeira vista podemos pensar, e não pensamos mal, que este livro é uma obra de redenção. Mas esse pensamento é limitativo, o livro é muito mais do que isso. É uma viagem psicológica pela ideia de David Vann do "se". E uma legitimação da escolha de alguma maneira. De uma salvação interior.
Não posso falar mais sobre o livro porque os meandros dessa viagem têm mesmo de ser lidos. Li outras críticas ao livro e sinto que há uma espécie de segredo entre os leitores da Ilha de Sukkwan. E vou manter assim. Com a vontade de uma conversa de café sobre Jim e Roy e sobre esta ilha sufocante e envolvente e, no limite, reveladora do mais cru e negro da relação de um pai com o seu filho.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

CURSO DE LITERATURA PORTUGUESA SÉC. XX


com Rosa Azevedo
Storik | Rua do Alecrim 30B - 30D, Lisboa
5ª das 19h30 às 21h
de 15 de Setembro a 20 de Outubro

50€

1ª sessão - final do século XIX | abertura para as vanguardas do séc. XX
2ª sessão - Modernismo
3ª sessão - Surrealismo
4ª sessão - Neo-realismo | Existencialismo | poesia de intervenção
5ª sessão - Novos autores
6ª sessão - balanço e jantar

Inscrições: rosa.b.azev@gmail.com

http://senhor-teste.blogspot.com/

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

O CÂNONE OU VÃ GLÓRIA DE LER E ESCREVER - Para Acabar de Vez com a Leitura

"Melhor seria, talvez, que os poetas fossem anónimos, dizia aquele que não nos atrevemos sequer a não citar, não nos caia o céu em cima das cabeças.
O senhor Borges, por questões que se atêm à biologia da espécie, não poderá estar no tanque do Bartô para se defender, mas faremos os possíveis para continuar a citá-lo, com ou sem razão para tal.


Ulisses, Beatriz, Dom Quixote, Madame de Bovary, Gregory Samsa, Leopold Bloom... Água..., oxigénio,carbono, hidrogénio, ficções: uns mais, outros menos, mas todos integramos na nossa constituição, na nossa humanidade, na nossa vitalidade, a necessidade da narrativa. Por ela fizeram-se guerras, revolucionaram-se sociedades, instituíram-se costumes, mudaram-se leis. O cânone literário integra o tecido vivo do legado imaterial da humanidade e ignorá-lo seria como rejeitar o oxigénio que nos dá vida.

Nesta sessão do PARA ACABAR DE VEZ COM A LEITURA, perguntamos aos nossos ilustres convidados, Maria do Rosário Pedreira, Miguel Real, Ricardo Duarte e Juva Batella, quem são, afinal, os santinhos da literatura? E como chegaram os ditos ao nosso altar? O que ler e porquê; como sobreviver nesta dupla ficção que é o cânone literário?"
14 de Setembro
21h30
Chapitô

Escritoras esquecidas do séc XX

As leituras que faço levam-me por muitos caminhos, diferentes uns dos outros. E às vezes há sítios onde me deixo ficar, desenvolvendo uma pe...